Terça-feira, 16 de Julho de 2024

Primeira enfermeira de hospitais de PG e acadêmicas de enfermagem destacam importância da profissão

2023-05-11 às 15:42

A enfermeira, Virte Lasari Melo, e as acadêmicas de enfermagem, Ana Gabriela Ambrósio e Vivian Martins dos Santos, comentaram sobre a profissão, em entrevista ao programa Manhã Total, apresentado por João Barbiero, na Rádio Lagoa Dourada FM (105,9 para Ponta Grossa e região e 90,9 para Telêmaco Borba), nesta quinta-feira (11). O programa teve uma abordagem homenageando o ‘Dia Internacional da Enfermagem’, que é comemorado nesta sexta-feira (12).

Virte Lasari Melo foi a primeira enfermeira em hospitais de Ponta Grossa. A experiência dela, juntamente com a juventude das acadêmicas Ana Gabriela Ambrósio e Vivian Martins dos Santos, trouxe a importância da profissão que está em constante evolução e merece o reconhecimento pelo seu trabalho.

Antigamente os doentes que necessitavam de assistência médica não eram separados por alas diferentes, independente da enfermidade. O ambiente é algo fundamental para o tratamento e a precursora foi Florence Nightingale, que é considerada a criadora da profissão de Enfermagem. Ela foi uma enfermeira inglesa que se destacou durante a Guerra da Crimeia, em 1854, ao cuidar dos feridos de forma diferenciada.

“Quando comecei a trabalhar, aqui na cidade, me lembro que as enfermarias não eram separadas por doença, nem por faixa etária, e eu comecei a dividir por doença e por faixa etária”, relembra Virte, que destaca a importância da evolução da enfermagem que foi construída, desde 50 anos atrás, até chegar nos dias atuais.

Conhecimento técnico e evolução

“Existe uma evolução muito grande dentro da profissão, sou enfermeira há quase 50 anos”, destaca Virte Lasari. Ela também afirma que a luta pela valorização da profissão é constante, desde a luta por um piso salarial. “O enfermeiro conquistou seu espaço através do conhecimento. É a equipe de enfermagem que está 24 horas acompanhando o paciente”, diz.

A academia é muito importante no processo de formação do profissional porque, além da teoria, os alunos já possuem atividades práticas para adquirir experiência desde o primeiro ano do curso na UEPG. “A gente tem o prazer de, desde o primeiro ano, fazer estágio no hospital e unidade básica. Além dos projetos de extensão que possibilitam que a gente concilie a teoria e prática”, aponta Ana Gabriela.

Obstáculos

As dificuldades que o profissional de enfermagem atravessa começam desde o estágio, segundo a estudante. “Como uma profissão que está 24 horas na ‘beira leito’, não somos tão valorizados, porque eu vejo que muitas vezes o enfermeiro tem que trabalhar o ‘dobro’ e justificar o ‘triplo’, cada ação que ele tem perante os outros profissionais”, afirma.

Vivian Martins, estudante do primeiro ano, aponta que “a discussão da enfermagem como uma ciência autônoma é de 50 anos pra cá, superando aquela ideia errônea de que é uma profissão de assistência médica”. O conhecimento disso é de extrema importância para que o profissional de enfermagem seja devidamente valorizado, observa.

Os obstáculos superados pela profissão e o espaço que os acadêmicos e novos profissionais da área possuem hoje, foi um trabalho aprimorado desde os primeiros profissionais que, através do conhecimento, foram conquistando o respeito e abrindo o caminho para a busca de uma valorização da área. “Naquela época o acesso a artigos e livros era mais restrito do que hoje, com a chegada das plataformas digitais”, afirma Virte, que aponta como importante para evolução profissional este acesso à informação dos dias de hoje.

Confira a entrevista completa: