Sexta-feira, 24 de Maio de 2024

“São gerações que estão esperando e acompanhando a maior transformação que PG já fez”, diz prefeita Elizabeth sobre maior licitação de asfalto da história

2024-02-15 às 10:38
Foto: Moisés Kuhn/D’Ponta News

Em entrevista ao programa Manhã Total, apresentado por João Barbiero, na Rádio Lagoa Dourada FM (105,9 para Ponta Grossa e região e 90,9 para Telêmaco Borba), nesta quinta-feira (15), a prefeita Elizabeth Schmidt destacou os recentes investimentos em pavimentação para o município de Ponta Grossa. Na última semana, foram anunciados R$ 156 milhões para obras em diversas regiões da cidade – esta é a maior licitação de asfalto história do município.

A licitação foi lançada no dia 8 de fevereiro e o pregão deve acontecer no dia 8 de março. “São R$ 156 milhões que fazem parte de R$ 633 milhões, que nós já estamos investindo na nossa cidade. Isso quer dizer que há 10 anos atrás, o orçamento da cidade era R$ 630 milhões, agora estamos investindo só em pavimentação”, diz a prefeita.

O programa de asfalto foi dividido em três grandes lotes: norte, oeste e sul-leste. No primeiro serão destinados R$ 59 milhões, no segundo R$ 42 milhões e no terceiro R$ 53 milhões. “São gerações que estão esperando e acompanhando a maior transformação que Ponta Grossa já fez”, comenta.

Áreas contempladas

Entre as regiões contempladas está o Parque Nossa Senhora das Graças, que existe desde 1958; o Jardim Residencial Tropeiros, que é de 1999; Santa Mônica, de 1994; Lagoa Dourada, de 1996. Já a Rua Valério Ronchi (onde deverá ocorrer a duplicação), existe desde 1957.

Quando questionada sobre os prazos para a execução destas obras, Elizabeth explica que após o pregão, no dia 8 de março, ainda existem os prazos para recursos, porém a expectativa é para que em abril as obras já iniciem, destacando que os fatores climáticos também contribuem com o cronograma. “Completando tudo isso, estaremos com 94% da nossa cidade com pavimentação. Talvez não dê tempo de terminar tudo isso aqui, é um maciço de ruas em determinados bairros. Estamos muito felizes, estamos atendendo aquela promessa. Feliz o dia que o governador me instigou a dizer que nós vamos fazer 100% [de asfalto]”, diz. Segundo a prefeita, a demora para a realização das obras de asfalto no município se deu por conta da pandemia.

“Eu sempre falo: é menos conversa e mais trabalho. Eu falo pouco e quando eu falo, eu falo porque eu já consegui. Eu não gosto de criar expectativas nas pessoas. Estamos fazendo questão de completar todos os bairros. Quem não foi contemplado agora, será contemplado na decorrência. Não dá para fazer tudo ao mesmo tempo”, completa.

O projetos incluei a pavimentação de mais de 220 ruas distribuídas nos bairros Boa Vista, Jardim Carvalho, Colônia Dona Luiza, Olarias, Cará-Cará, Oficinas, Uvaranas, Neves, Contorno, Ronda e Chapada. Entre as obras está a ligação entre a vila DER e o bairro Colônia Dona Luiza, recomposição da rua João Thomé, em Uvaranas, e a duplicação da rua Valério Ronchi, importante via de acesso que liga a região de Uvaranas ao bairro Neves.

Confira as vilas contempladas:

Vilas Santa Mônica, Nossa Senhora das Graças, Lagoa Dourada, Tropeiros, Sabará, Monte Carlo, Vila Raquel, Ronda, Amadeu Bolzani/Colômbia, Felicidade II, Vila Esperança, Los Angeles, Coronel Claudio, Sant`Ana, Parque dos Pinheiros, Companhia Prada de Eletricidade, Elvira, 26 de Outubro, Cachoeira, Maier, Progresso, Tarobá, além da ligação DER-Colônia Dona Luiza, melhorias na rua João Thomé e Valério Ronchi.

Confira o mapa com todas as ruas contempladas pela licitação na galeria de fotos ao final da matéria.

Investimentos para o município

Além desta licitação histórica, a prefeita afirma que o município ainda tem “R$ 95 milhões do BRDES, R$ 20 milhões da Paranacidade para o Borato, que já foi liberado e provavelmente vamos liberar o edital agora”, diz.

A Itaipu também destinou R$ 32 milhões para Ponta Grossa. O projeto contempla o plano de drenagem da cidade. “Realmente a cidade tem uma topografia muito especial e merece esse plano de drenagem. Estamos contratando a Unilivre, que é uma universidade, para fazer todo o plano da nossa cidade, de micro e macro drenagem para que a gente possa resolver os problemas que são históricos. Por exemplo o rio Ronda, ontem encheu novamente a rodovia, são problemas crônicos, no Santo Antônio também”, afirma.

Confira a entrevista completa: