Segunda-feira, 15 de Julho de 2024

Paróquias de Castro encenam a Paixão de Cristo

2024-03-29 às 12:58
Foto: Arquivo/Renato de Oliveira

A encenação que cruzou três décadas e é considerada a segunda mais antiga da Diocese de Ponta Grossa, a ‘Paixão’ de Cristo’ organizada pelo grupo Jovens Unidos da Santa Cruz (JUSC), de Castro acontecerá nesta sexta-feira (29), às 20 horas, no Ginásio de Esportes Padre José Pagnacco, no alto da Vila Santa Cruz.

Em sua trigésima primeira edição, o espetáculo de caráter religioso e cultural teve seu início na antiga quadra de esportes, anexa à Paróquia de São Judas Tadeu, demolida depois para dar espaço à construção da nova matriz. De acordo com Rodrigo Walter, que há cinco anos faz o papel de Jesus na peça e integra o grupo há 28 anos, o espetáculo tem um objetivo claro: evangelizar através do testemunho. “Esperamos que todas as pessoas que lá forem assistir/participar, voltem pra suas casas com pensamento diferente, entendendo a mensagem que atores e figurantes estão apresentando, mas sobretudo, a mensagem do próprio Jesus, de mansidão, humildade e misericórdia “, ressaltou.

Além da comunidade São Judas Tadeu, atores amadores e figurantes, de todas as idades, vêm de outras paróquias, capelas e até mesmo de outras denominações religiosas de Castro. Todos se juntam para formar um elenco de mais de 120 integrantes, contando também com o pessoal dos bastidores. Luzes e sons da mais alta tecnologia dão um brilho especial ao espetáculo.

Além do apoio de empresas locais, imprensa, voluntários, o espetáculo que faz parte do calendário turístico de Castro, conta também com a participação da Polícia Militar, Guarda Municipal e das pastorais e movimentos das quatro paróquias locais.

Início

Conforme o diretor de arte Arildo Ribeiro de Souza, tudo começou na década de 90, quando o jovem Roberto Júnior teve a ideia, já próximo a Sexta- Feira Santa, de encenar para as crianças da catequese alguns momentos vividos por Jesus, conforme a história bíblica, do sofrimento, morte e ressurreição. A ideia foi bem aceita por padre Piero Fietta, pároco da época da São Judas. Com isso, a encenação ganhou vida e foi incorporada à via-sacra, que passou a ser acompanhada pela comunidade, pelas principais ruas do bairro Santa Cruz.

Com estações espalhadas pelo caminho, uma das cenas mais impactantes tinha lugar no chamado ‘campo do Heráclio’, onde acontecia a crucificação e morte de Jesus. Já a cena final, da Ressurreição, voltava para quadra de esportes, com a aparição triunfante de Jesus, que vence a morte, com a sua Ressurreição.

da assessoria