Sexta-feira, 12 de Abril de 2024

D’P Política: Elizeu Kocan – “Prefeito deve estar no meio do povo”

2024-01-14 às 15:45

Pré-candidato a prefeito de Ponta Grossa pelo Solidariedade, o advogado Elizeu Kocan se apresenta como oportunidade de renovar o Executivo municipal e realizar um governo baseado em valores cristãos

por Edilson Kernicki

As convenções partidárias, que definem os candidatos ao próximo pleito municipal, ocorrem só entre 20 de julho e 5 de agosto de 2024, mas o Solidariedade já escolheu o seu pré-candidato: o advogado Elizeu Kocan, de 41 anos.

Nascido em Porto União (SC), na divisa com o Paraná, foi em Ponta Grossa que Kocan iniciou a sua caminhada política, ainda no movimento estudantil, no começo dos anos 2000, quando presidiu a União Municipal dos Estudantes Secundaristas (UMESP). Atuou nos bastidores da política, como diretor e assessor jurídico em Câmaras de Vereadores nos Campos Gerais. Presidiu a Juventude do PDT Paraná por dois mandatos consecutivos e trabalhou ao lado do ex-senador Osmar Dias.

Kocan também foi presidente do Centro Acadêmico de Direito Fábio Fanucchi e graduou-se em Direito pelo Cescage em 2009. É pós-graduado em Direito Público Municipal pela Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal (Uniderp), fez vários cursos nas áreas de Direito Eleitoral e Administração Pública, e hoje cursa uma pós-graduação em Políticas Públicas e Municipalidade.

Casado e pai de dois filhos, o atual presidente do Solidariedade de Ponta Grossa atua na área do Direito Eleitoral e prestou serviços jurídicos e assessoria política ao ex-deputado estadual Marcio Pauliki. O advogado espera ser uma alternativa para renovar o quadro político municipal, com um programa de governo calcado em valores familiares e cristãos.

Há mais de 30 anos, Ponta Grossa elege como prefeitos candidatos que vieram do Legislativo Estadual (Jocelito, Péricles e Marcelo Rangel), ex-prefeitos (Wosgrau) ou vice-prefeitos (Paulo Cunha Nascimento e Elizabeth). Ser um “novato” nesse cenário é um desafio ou uma vantagem?

É um desafio, pois me coloquei à disposição do partido numa pré-candidatura ao pleito majoritário, para discutir um projeto diferente para Ponta Grossa. A vantagem é o fato de as pessoas poderem escolher alguém novo, que não venha dos grupos políticos que estão formados na cidade. Não sou pré-candidato dos atuais governantes, seja na esfera federal, estadual ou municipal. Estamos montando um novo grupo político, com ideias e projetos em prol do crescimento do município e que, acima de tudo, acredite em Deus, respeite a família, defenda a vida e a liberdade, e queria fazer o bem ao próximo, em especial à população que mais necessita dos serviços e programas públicos. Vamos trabalhar com o pé no chão. Muitos serão os desafios de construir a nossa caminhada para o pleito de 2024, ouvindo o povo, vendo a realidade de cada bairro e as necessidades e qualidades de cada região da cidade.

O senhor tem ampla experiência nos bastidores da política. Como essa bagagem pode te ajudar a governar, se eleito?

Com a experiência adquirida nos cargos que ocupei e também no dia a dia no atendimento dos nossos clientes, sinto que posso contribuir para que tenhamos uma gestão mais eficiente, um gerenciamento mais preciso para melhorar a vida das pessoas que aqui moram e trabalham. Devemos administrar a cidade com olhar humano. Se necessário, cortar gastos supérfluos e investir onde realmente é necessário e urgente. Cito aqui a questão da saúde pública, o caos que estamos vivendo com a falta de gestão da atual administração. Temos visto, no dia a dia, a falta de percepção, de se colocar no lugar do outro, de quem necessita de atendimento. Não está certo uma pessoa ficar de oito a dez horas para ser atendido em uma UPA. Isso tem que ser corrigido com eficiência na condução de uma política pública que atenda a população. Prefeito deve se fazer presente no dia a dia da administração. O verdadeiro político é aquele que vai ao encontro do povo, não só no período eleitoral e sim no dia a dia do mandato.

Supondo que vença as eleições, quais seriam as prioridades de seu governo?

Tenho percorrido a cidade e conversado com a população em geral, lideranças de bairros, líderes religiosos, empresários e vários servidores para ouvir e ver a realidade de cada setor. Temos visto, diariamente, um caos na saúde pública, e outra coisa que escuto da população é sobre a insegurança pública que estamos vivendo na cidade. Há uma falta de gestão na saúde e uma ineficiência dos gestores públicos, mesmo com recursos. Atualmente são investidos mais de 19% do orçamento em saúde e não se vê resultado, pela ineficiência da gestão. UPAs lotadas, sem controle e fiscalização por parte do atual governo, e o fechamento do Pronto Socorro são dois exemplos de má gestão. Sem falar da insegurança pública, em que vemos pessoas de bem ficando em casa para se proteger por conta dos marginais que estão à solta pelas ruas e praças. Antigamente, praça era sinal de crianças brincando, idosos batendo papo com os amigos. Hoje, a triste realidade que vemos são criminosos tomando conta desses espaços tão importantes para a população.

Quais valores e preceitos devem pautar o seu programa de governo?

Não abro mão da minha fé em Deus, sem Deus nada podemos e nada somos. A família deve ser cuidada e protegida. Ponta Grossa tem que andar para a frente. Esses são os preceitos que devem ser primordiais para quem quiser caminhar com a gente na construção da nossa pré-candidatura. Devemos resgatar valores éticos e cristãos nesta jornada que vamos trilhar rumo ao Palácio da Ronda. Na reunião de posse da nossa diretoria do Solidariedade Ponta Grossa, lançamos a construção do plano de governo que discutiremos nestes próximos dez meses, e apresentaremos em agosto de 2024 um novo projeto para Ponta Grossa, em que elencamos sete linhas bases: 1 – Saúde; 2 – Segurança Pública; 3 – Educação; 4 – Mobilidade Urbana; 5 – Ação Social em Defesa das Famílias; 6 – Desenvolvimento Econômico e Geração de Renda; e 7 – Valorização do Servidor e dos Bens Públicos.

Que características você considera imprescindíveis para ser um bom prefeito?

A principal caraterística é gostar do povo, ter olhar social para melhorar a vida das pessoas. Um prefeito deve ter um olhar apurado, pensar no pai e na mãe de família que necessitam de serviços públicos de qualidade; lutar para que tenham acesso ao trabalho formal, para que consigam gerar renda para a sua família, para que tenham transporte público de qualidade, para que consigam levar o seu filho à escola e lá ter ensino regular e alimentação de qualidade, contraturno escolar; enfim, ter esse olhar diferenciado para governar. Prefeito deve estar no meio do povo, indo às escolas, UPAs, postos de saúde, secretarias, conversando com os servidores, que desempenham papel fundamental para que os programas e serviços públicos atendam a população. Acima de tudo, pensar no bem comum, ser honesto na condução da máquina pública, realizar uma gestão transparente, com firmeza no comando da administração, e fazer parcerias com setores da sociedade civil e entidades de classe. Acredito ter muito a contribuir para a administração da cidade. Todos saem ganhando em ter uma cidade melhor para se viver.

Conteúdo publicado originalmente na Revista D’Ponta #299