Agro&Negócio: ‘International Fish vai acontecer no Paraná’, por Ricardo Weg | D'Ponta News - Notícias do Paraná - Jornalismo sério para leitores exigentes!
Segunda-feira, 04 de Março de 2024

Agro&Negócio: ‘International Fish vai acontecer no Paraná’, por Ricardo Weg

2022-08-18 às 15:34

Com 182 mil toneladas, Estado é líder em produção de tilápia

As carnes bovina e de frango brasileiras são proteínas animais que já ultrapassaram as fronteiras e ganharam o mundo, percurso que agora está sendo trilhado por uma outra proteína: o pescado. E dentre os países que tem apresentado uma crescente na importação dos peixes brasileiros estão os países árabes.

Nesse sentido o Paraná vai sediar a 4ª edição do IFC (International Fish Congress & Fish Expo Brasil). O mega evento vai ser realizado de 31 de agosto a 2 de setembro, no Maestra Grand Convention Center (recanto Cataratas Thermas & Resort), em Foz do Iguaçu (PR), que este ano terá como tema “Das Águas à Mesa do Consumidor: Por uma Cadeia Competitiva, Sustentável e Foca no Mercado Global”.

PEIXES EM NÚMEROS

Os números ratificam esse cenário otimista: segundo dados divulgados no Informativo sobre Comércio Exterior da Piscicultura, publicado pela Embrapa Pesca e Aquicultura (Palmas-TO) e pela Associação Brasileira da Piscicultura (PeixeBR), o Brasil dobrou a receita com as exportações da piscicultura no primeiro semestre de 2022 em comparação ao mesmo período de 2021, com uma receita de US$ 14,35 milhões entre janeiro e junho de 2022 ante US$ 7,18 milhões em 2021. Em volume, o aumento foi de 14%.

O mercado árabe se destaca como destino nos embarques no pescado brasileiro: a Líbia é o 3º principal destino da proteína, com uma receita de US$ 476 mil, somando 4.931 toneladas nos primeiros seis meses deste ano. A alta mais significativa da receita foi motivada, especialmente, pelo crescimento na venda de produtos com maior valor agregado, sobretudo os filés congelados, que teve aumento de 544% no valor e de 571% no volume exportado.

TILÁPIAS LIDERAM

Ainda de acordo com o informativo, a tilápia se mantém como a principal espécie exportada pela piscicultura nacional, respondendo por 98% do faturamento e 99% da quantidade de peixe embarcada pelo País no primeiro semestre deste ano.

E, quando se fala em tilápia, ainda segundo a PeixeBR, a região Sul se mantém como destaque – a tilápia representa 86% de todos os peixes de cultivo da região, tendo o Paraná como líder na produção nacional, com 182 mil toneladas em 2021.

O estado líder na produção de tilápia brasileira agora quer levar seus produtos ainda mais longe. Produtores da região de Nova Prata do Iguaçu (PR) começam a visualizar o potencial do mercado muçulmano e buscam atender aos requisitos para que seu pescado chegue a esses mercados.

Dentre eles, está a Piscicultura Caxias, que concluiu o processo de certificação halal e está apta a exportar aos países árabes. O proprietário da empresa, Jean Carlo Kuligowski, explica que atendia apenas o mercado interno, mas começou a visualizar oportunidade em outros países. “Depois que tivemos uma pessoa da região participando da Gulfood 2022, percebemos o potencial para exportação do pescado aos países muçulmanos e isso nos estimulou a buscar a certificação halal”, explica Jean.

As oportunidades desse promissor mercado para o pescado brasileiro serão apresentadas pelo diretor de Operações da CDIAL Halal, Ahmad M. Saifi, durante o Congresso.

O diretor da CDIAL Halal participará de um painel sobre Mercado Mundial e Nacional de Pescados, que abordará a atualidade e tendências da produção, consumo e comércio mundial de pescados; exportações brasileiras de pescado, evolução, desafios e tendências.

“O Brasil tem potencial e oportunidade para abastecer o mercado muçulmano, que está ávido por nossos peixes, como a Jordânia, por exemplo, que demonstrou interesse por todas as espécies de peixes brasileiros. E este é um mercado gigantesco deve movimentar em torno de US$ 5,74 trilhões até 2024 e são mais de 200 milhões de pessoas que residem nos 22 países que compõem a Liga Árabe”, afirma o diretor da CDIAL Halal. E completa: “Temos quem quer vender e aqueles que querem comprar, então temos um enorme potencial e a certificação halal é o caminho para quem deseja ingressar neste mercado, já que é uma garantia de qualidade e segurança para o pescado que será consumido pela população de religião islâmica”, explica Ahmad Saifi.

A empresa de Saifi é a certificadora da América Latina acreditada pelos principais órgãos oficiais dos Emirados Árabes (EIAC) e do Golfo (GAC). Também é a primeira da América Latina a conquistar a categoria para cosméticos e fármacos. Esta certificação é aceita em todo o mundo, inclusive nos países de maior população muçulmana como Malásia, Indonésia, Singapura e Golfo Pérsico (ou Golfo Árabe).

Nota da Coluna: Agradecemos a jornalista Lucia Nunes, da LN Comunicação pela produção e envio deste excelente texto. Português e informações colocadas de forma impecáveis. 

Agro&Negócio

por Ricardo Weg

Formado em comunicação-social, letras e MBA em Marketing Digital (Fundação Getulio Vargas), Ricardo Wegrzynovski é multimídia (internet, TV e rádio). Empolgado com a vida, trabalha com marketing e tecnologia. Escreve também para o gigante The Rio Times. É assessor de comunicação em política. Nesse setor trabalhou com a equipe do ex-presidente dos EUA, Barack Obama. Em Brasília, onde morou por 13 anos, trabalhou na Câmara dos Deputados, Ipea, Ministério da Agricultura, e Presidência da República. No exterior trabalhou em Londres e Portugal. Paranaense gente boa, manezinho adotado pela ilha, mora em Floripa quando pode. No mais é “nômade digital”.