Agro&Negócio: Multiplicação dos peixes: Paraná lidera exportação de pescados, por Ricardo Weg | D'Ponta News - Notícias do Paraná - Jornalismo sério para leitores exigentes!
Sexta-feira, 23 de Fevereiro de 2024

Agro&Negócio: Multiplicação dos peixes: Paraná lidera exportação de pescados, por Ricardo Weg

2023-04-18 às 11:55

Estudo realizado pela Embrapa Pesca e Aquicultura (TO), em parceria com a Associação Brasileira da Piscicultura (Peixe BR), revelou que as exportações da piscicultura brasileira aumentaram 15% em faturamento em 2022, chegando a U$S 23,8 milhões. É o maior na história do setor, e o estado do Paraná puxa essa fila.

Entre os estados que mais exportaram produtos de piscicultura, o destaque foi para o Paraná, responsável por 58% do total exportado, com aumento de 114% em relação ao ano anterior. Na segunda posição aparece o Mato Grosso do Sul, com 18% do total, seguido pela Bahia, com 11%. Merece destaque São Paulo, com 127% de crescimento em relação a 2021.

O país que mais consome o pescado brasileiro são os Estados Unidos, respondendo por 81% das exportações nacionais. A tilápia (Oreochromis niloticus), que costuma ser a espécie principal vendida a outros países, deu um salto de 28% nas exportações em relação a 2021, totalizando 23,2 milhões de. As informações foram publicadas no Boletim Informativo nº 12 do Centro de Inteligência e Mercado em Aquicultura (CIAqui), da Embrapa Pesca e Aquicultura.

No geral, o primeiro semestre de 2022 apresentou maiores volumes de exportação se comparado à segunda metade do ano. Foram exportados US$ 14,3 milhões em produtos da piscicultura, com 100% de crescimento em relação ao mesmo período de 2021. A análise mensal das exportações indica variação ao longo do ano, apresentando o maior volume, em valores financeiros e em toneladas, no mês de maio.

Entre as espécies mais exportadas, a grande estrela do setor continua sendo a tilápia, responsável por 98% das exportações do País em piscicultura. A preferência dos estrangeiros se manteve na tilápia inteira congelada, promovendo um crescimento de 70% em relação ao ano anterior. Filés frescos ficaram em segunda posição, com 25% do total exportado e aumento de 8% em relação a 2021. Na modalidade “filés congelados” foi registrado o maior crescimento: 98% entre 2021 e 2022.

A segunda espécie mais exportada em 2022 foi o tambaqui (Colossoma macropomum), com US$ 268 mil e uma queda de 51% frente a 2021. A categoria dos surubins ocupou a terceira posição, com US$ 114 mil e crescimento de 186% no ano, sendo o maior crescimento entre as espécies.

Profissionalização do setor

Segundo o pesquisador da Embrapa Manoel Xavier Pedroza Filho, o aumento da produção, principalmente da tilápia, e a busca por novos canais de venda são alguns dos fatores que explicam o aumento das exportações da piscicultura brasileira. “O crescimento do setor é o resultado de uma maior profissionalização e um aumento da escala de produção das empresas, permitindo a entrada no mercado internacional que é bastante exigente em termos de qualidade e volume”, explica ele. “Ao mesmo tempo, o mercado interno tem apresentando períodos de estagnação no consumo de peixes, levando a uma queda na demanda e nos preços. Nesse contexto, a exportação surge como uma alternativa para o escoamento da produção, diminuindo a dependência das empresas de um só mercado”, analisa o especialista.

Para Francisco Medeiros, presidente da Peixe BR, 2022 foi um ano desafiador, mas a produção nacional se manteve em ritmo de crescimento. “A economia global manteve-se em desaceleração devido à pandemia e também foi impactada pela guerra entre Rússia e Ucrânia. Além disso, foi um período de custos de produção elevados e desajustes no comércio internacional. Mesmo com essas e outras adversidades, a piscicultura brasileira cresceu 2%. Não foi um crescimento como em anos anteriores, porém, a atividade manteve a curva ascendente, comprovando a demanda crescente dos peixes de cultivo”, comenta ele. “No total, produzimos 860 mil toneladas, com destaque mais uma vez à tilápia. Os peixes nativos mantêm-se como um segmento de muita relevância, e outras espécies, como o pangasius (Pangasianodon hypophthalmus), estão crescendo”, relata.

Vão bem num peixinho…

EUA são os principais compradores da piscicultura

Líder absoluto entre os países que importam peixes brasileiros, os Estados Unidos foram os responsáveis por 81% das vendas nacionais, seguidos do Canadá, com apenas 5%, Taiwan, Líbia e México. As exportações para os Estados Unidos apresentaram um aumento de 43%, atingindo US$ 19 milhões. Apesar de não ter havido embarques para a Líbia no quarto trimestre, o destino teve um aumento de 550% nas exportações no acumulado de 2022.

“A pauta de exportação da piscicultura para os Estados Unidos é concentrada nas categorias de peixes inteiros congelados, filés frescos ou refrigerados e filés congelados. Estes últimos com aumento de 80% nas exportações, o que reforça uma tendência verificada ao longo de 2021 de crescimento desta categoria”, destaca Pedroza. Para o Canadá, o principal produto exportado também foram os peixes inteiros congelados, representando 79% (US$ 941 mil). Já para Taiwan (Formosa), a principal categoria foi dos subprodutos impróprios para alimentação humana (US$ 531 mil), a qual inclui itens como óleos, farinhas e escamas.

Vendas devem continuar em crescimento em 2023

Para 2023, as expectativas também são otimistas tanto para o mercado interno como para o externo. Quanto às exportações, após um aumento de 15% em 2022, a perspectiva é de crescimento dos embarques em 2023, principalmente de tilápia inteira e filés congelados. Empresas do setor preveem um aumento das exportações da espécie, em especial no segundo semestre. A perspectiva de reabertura do mercado europeu para o pescado brasileiro – fechado desde 2018 – poderá contribuir para um aumento das exportações de produtos da piscicultura.

Desde o segundo semestre de 2022, os preços da tilápia têm se mantido em alta, como reflexo de uma redução dos povoamentos em meses anteriores. Segundo dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (USP) (Cepea-USP), publicados no Boletim do CIAqui, a tilápia vendida no mercado nacional apresentou aumento de preço de 16% em 2022, fechando o ano com o valor de R$ 8,51 o quilo.

O futuro do pescado brasileiro

O Brasil é um dos países que possui o maior potencial para crescimento da piscicultura em águas continentais em todo o mundo. Isso se deve não apenas ao fato de possuir a maior reserva de água doce mundial, mas também devido à grande oferta de grãos para produção de ração e a existência de uma cadeia produtiva já bem estruturada.

O exemplo paranaense

Empresas que atuam há décadas em outros setores de proteína animal – tais como frangos e suínos – estão investindo na cadeia da tilápia, como forma de diversificar seus investimentos. Na região oeste do Paraná algumas cooperativas agrícolas já são grandes produtoras de tilápia, operando no mesmo sistema de integração vertical utilizado para a produção de frangos. Aliado a uma produção já consolidada, existe uma perspectiva de crescimento da demanda, tanto no mercado interno como externo.

Só no churrasco

O consumo de pescado no Brasil ainda é baixo, em torno de 9,5 kg por habitante ao ano, porém, há uma expectativa de aumento no longo prazo. No que se refere às exportações, a perspectiva é de aumento dos volumes, principalmente de produtos de tilápia congelados. Há uma tendência de ampliação do número de países importadores a partir da abertura de novos mercados. Por exemplo, várias empresas exportadoras de tilápia já possuem certificação Halal, o que possibilita acessar diversos mercados de países árabes.

Apesar de ser o maior volume histórico em exportações da piscicultura, o valor ainda é muito inferior se comparado a outras cadeias de produção mais consolidadas, como a da carne bovina, que bateu os US$ 13,091 bilhões, de acordo com a Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo), ou a do frango, que faturou 9,762 bilhões de dólares em 2022, segundo dados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Embora tenha um enorme potencial, a piscicultura brasileira, na avaliação da pesquisa, é uma atividade com menos de uma década de existência e enfrenta diversos gargalos importantes, tais como a alta dos custos de produção, a elevada burocracia nos processos de licenciamento ambiental e a necessidade de tecnologias para a produção de espécies nativas.

Para Pedroza, o setor produtivo aos poucos está se estruturando. “Além disso, a Embrapa é uma das instituições que têm desenvolvido pesquisas para minimizar os gargalos tecnológicos, por meio de ações como a Plataforma Aquaplus (análise genética), tecnologias para melhoria de qualidade de rações, melhoramento genético de espécies nativas e plataformas digitais de inteligência para a aquicultura como CIAqui e o SITE Aquicultura”, aponta.

Resumo em tópicos:

•          Paraná responde por 58% das exportações brasileiras do setor de pescados; Mato Grosso do Sul, 18% e Bahia, 11%.•

Exportações de tilápia aumentaram 28% em relação a 2021, totalizando 4,3 milhões de dólares.

•          Tilápia domina as exportações de pescado brasileiras: responde por 98% das exportações

•          Estados Unidos são o maior comprador do pescado brasileiro; respondem por 81% desse comércio. Exportações para lá aumentaram 43%, ano passado.

•          Profissionalização do setor e aumento da produção explicam em parte esse resultado.

•          Expectativa é de continuar o crescimento das exportações em 2023, com perspectiva de reabertura do mercado europeu ao pescado brasileiro, fechado desde 2018.

•          Com grande oferta de corpos d’água e de fornecimento de grãos para rações, o Brasil tem potencial para estar entre os maiores produtores de pescado.

Nota da Coluna Agro & Negócio: Agradecemos a Embrapa pelo envio do texto, aqui reproduzido na íntegra com títulos nossos.

 

Agro&Negócio

por Ricardo Weg

Formado em comunicação-social, letras e MBA em Marketing Digital (Fundação Getulio Vargas), Ricardo Wegrzynovski é multimídia (internet, TV e rádio). Empolgado com a vida, trabalha com marketing e tecnologia. Escreve também para o gigante The Rio Times. É assessor de comunicação em política. Nesse setor trabalhou com a equipe do ex-presidente dos EUA, Barack Obama. Em Brasília, onde morou por 13 anos, trabalhou na Câmara dos Deputados, Ipea, Ministério da Agricultura, e Presidência da República. No exterior trabalhou em Londres e Portugal. Paranaense gente boa, manezinho adotado pela ilha, mora em Floripa quando pode. No mais é “nômade digital”.