Sexta-feira, 12 de Agosto de 2022

Eleições 2022: Gerveson Tramontin (PT) fala sobre pré-candidatura a deputado estadual

05/07/2022 às 11:56
Pré-candidato a deputado estadual Gerveson Tramontin (Foto: Eduardo Vaz)

O pré-candidato a deputado estadual, Gerveson Tramontin (PT) participou de bate-papo durante o programa Manhã Total, apresentado por João Barbiero e Eduardo Vaz, na Rádio Lagoa Dourada FM (105,9 para Ponta Grossa e região e 90,9 para Telêmaco Borba), nesta terça-feira (5).

Tramontin, que é professor há 26 anos em escola pública, relembra que se elegeu pela primeira vez em 1996, como vereador em Ponta Grossa. Segundo ele, todas as pré-candidaturas do PT foram homologadas durante o encontro estadual do partido, que ocorreu no último sábado (2). “Nos Campos Gerais eu sou o único candidato do PT que tem mais história, que tem uma conjuntura grande, e estamos trabalhando na perspectiva de fortalecer o PT na região, reconstruir o apoio dos movimentos sociais”, diz.

Para Gerveson, o fato de estar no meio educacional atualmente, pode favorecer na campanha. “Desta vez as pessoas me conhecem como o Gerveson professor do colégio. Essa relação com a educação está muito mais forte, tem uma identidade mais clara, isso também fortalece a nossa luta nessa caminhada”, revela. 

Em mandatos anteriores, o Partido dos Trabalhadores chegou a ter uma bancada com nove deputados estaduais do Paraná, além de governar cidades como Ponta Grossa, Maringá e  Londrina. No cenário atual, o partido pode chegar a eleger entre cinco e seis deputados, segundo Gerveson Tramontin. “O PT já teve um momento forte de atuação, e na política nem sempre consegue sustentar um projeto político por muito tempo. Mas eu acredito que o PT está retomando sua estratégia de organização social, de mobilização dos movimentos e tudo isso é resultado de um processo”, opina. 

Na perspectiva do pré-candidato, o desafio do PT é construir uma relação diferente com as bancadas do congresso. “No sistema político do Brasil, ninguém governa sozinho, se governa com os partidos, Congresso, Câmara Federal e Senado. Conciliar interesses republicanos, com interesses individuais de partidos é muito difícil, acho que esse é o grande desafio. Apesar do PT ter construído nos seus governos a maior quantidade de estruturas de fiscalização como corregedoria, investimento na Polícia Federal, Ministério Público Federal, mesmo assim não conseguiu estancar”, argumenta. 

Confira a entrevista completa: